Windows 7 – Lições Aprendidas


A Microsoft mostra que aprendeu a lição

A Microsoft mostra que aprendeu a lição

O novo sistema operacional da gigante do software Microsoft, o Windows 7, foi disponibilizado para testes no dia 5 de Maio de 2009, permitindo usuários de todo o mundo tenham acesso gratuito ao novo sistema operacional por um ano, quando o novo SO será oficialmente lançado.

Não somos um blog de tecnologia, mas não pude deixar de olhar para a situação com um viés de Gerenciamento de Projetos. Mas antes, vamos fazer uma rápida retrospectiva.

Sucessor do Windows XP, o Windows Vista foi mal recebido pelo público devido a questões que iam de instabilidade à recursos do sistema. Isso terminou por dar ao sistema uma reputação das piores (aclamado por muitos geeks como o maior fracasso da Microsoft após o Windows ME). Muitas empresas, assustadas com os reviews sobre os problemas do Vista, em especial no assunto compatibilidade (muitas aplicações simplesmente não rodam no Windows Vista), decidiram não migrar do XP para a nova plataforma, tornando o sistema operacional um fiasco financeiro maior do que sua terrível reputação junto aos usuários.

E o que isso tem a ver com gerenciamento de projetos? Bom, existe uma prática chamada Lições Aprendidas que me vem a cabeça toda vez que eu penso no 7. As Lições Aprendidas são um conjunto de informações que são coletadas durante a execução do projeto e compiladas ao seu termino, que são usadas para:

  • Minimizar o impacto de problemas já identificados em um projeto;
  • Listar os problemas que ocorreram num determinado projeto;
  • Listar as ações corretivas tomadas para resolver aqueles problemas;
  • Servir de base de dados para projetos do mesmo tipo;
  • Difundir as melhores práticas e soluções mais eficazes em gerenciamento de projetos;
  • Criar um repositório de dados (caso a empresa se valha de um PMO);

Agora vamos olhar para o que a Microsoft fez com o Vista:

Imposição de um sistema operacional pesado (8x a memória do XP, 13x o espaço em disco e um processador 3x mais forte) com uma nova arquitetura que não era compatível com algumas aplicações, muitas das quais consideradas fundamentais para alguns clientes (macros e automações de processos em algumas empresas, jogos em muitos desktops, programas diversos tanto em modo 32 bits quanto em 64 bits). Alteração em muitas funcionalidades e no ‘feeling’ do SO, que ficou mais bonito, mas não necessariamente mais prático e definitivamente não estava mais rápido. O resultado, todos conhecem.

Agora as promessas do Windows 7. Pra inicio de conversa, o sistema tem praticamente as mesmas configurações do Vista, exigindo um pouco menos do computador no termo espaço em disco (o que hoje em dia não é um problema tão grande com HDs de 250gb), mas considerando que é um sistema operacional novo, não necessitar de grandes upgrades de hardware é um avanço. Levando em conta que as novas tecnologias permitem processamentos de maior quantidade de dados do que quando o Vista foi lançado, pode-se esperar um desempenho muito superior no Windows 7. Segundo a Microsoft, todos os aplicativos que rodavam no Windows Vista funcionarão perfeitamente no Windows 7, e para qualquer outro aplicativo mais sensível, haverá a opção de rodar o programa através de um Windows XP virtual rodando dentro do próprio Windows 7. Em teoria, os problemas de compatibilidade acabaram. Some isso ao fato que a Microsoft abriu betas do novo SO ao grande publico em diversos momentos do desenvolvimento mostra uma maior maturidade e qualidade no processo de execução da Microsoft, recebendo input direto dos seus usuários, e levando esses requerimentos a sério como tem sido apontado em fóruns em toda a Internet.

Teria mesmo a Microsoft aprendido com seus erros e utilizado o processo de Lições Aprendidas? Não sei responder essa, mas fica uma lição para todos: Nem sempre uma bola fora é um problema, depende do que você faz com ela, você senta, chora e procura os culpados ou encara como uma lição a aprender e age para corrigir os problemas?

Para encerrar, no blog do Josh Nankivel, PMP, PMStudent, vocês podem encontrar uma template muito boa para Lições Aprendidas.

E você, o que acha disso tudo? Deixe um comentário, e se quiser is mais fundo, faça como eu e teste o Windows 7 você mesmo!

Até a próxima!

Anúncios

Sobre Diego Nei

Soteropolitano de capricórnio, Bacharel em Relações Internacionais pelo Centro Universitário Jorge Amado, estou atualmente cursando um MBA em Gerenciamento de Projetos. Gosto de escrever e de tocar violão. Acho que através do Gerenciamento de Projetos temos uma oportunidade de rever como as coisas são feitas e achar uma forma de atingir objetivos. Quem sabe se tivéssemos mais gerentes de projetos em Brasília a história não fosse diferente? Sou membro do PMI desde 2008, filiado ao Capítulo Bahia. Me interesso por projetos de desenvolvimento social, Corrente Crítica e Lean Six Sigma como garantia de qualidade em processos.
Esse post foi publicado em Artigos e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Windows 7 – Lições Aprendidas

  1. Lelia disse:

    Muito boa a relação feita entre o “Lessons Learned” e os problemas identificados no Vista e possíveis lições aprendidas para o 7. Esperemos pra ver.
    Parabens pelo blog! Bastante útil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s